Guia online traz diretrizes para criação de espaços de participação social nas cidades

Por:

Via: Educação e Território

Pilar na Constituição de 1988, a participação social nos processos decisórios do Brasil ainda é realidade distante para a maioria da população. Embora o voto e a escolha de representantes nas eleições seja parte importante deste processo, a sociedade civil raramente participa em conselhos, fóruns ou outras instâncias – e nem sempre elas são construídas para facilitar essa participação.

Para pensar cidades e territórios construídos a partir de perspectivas participativas, é preciso criar uma cultura de participação social. O Programa Cidades Sustentáveis, em parceria com o CITinova, criou o Guia de Introdução à Participação Cidadã. Disponível online, ele se configura como ferramenta para gestores públicos e sociedade civil na elaboração de políticas públicas participativas.

“A participação social é importante, por um lado, para fortalecer a democracia e ampliar as possibilidades de expressão da vontade popular, e, por outro, para qualificar a gestão pública”, enfatizou Murilo Gaspardo, diretor da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade Estadual Paulista (FCHS/Unesp/Campus de Franca) e participante da elaboração do guia.

Ao longo da publicação, são apresentados conceitos, referenciais teóricos sobre o tema, indicadores e uma lista de instituições que trabalham com a temática. O material conta também com boas práticas e exemplos de participação cidadã em cidades brasileiras

Uma delas é em Araraquara, município do interior de São Paulo. Contrariando os modelos tradicionais de gestão, planejados a curto prazo e portanto mais sujeitos a mudanças quando ocorre a troca de gestão, a cidade tem um plano de gestão participativa com duração até 2050. O eixo guia do projeto é o direito à cidade, e o Plano Diretor se constitui em um documento decisivo para criação de uma cidade policêntrica, integrada e compacta.

Sistema municipal de política cidadã: uma diretriz para participação social 

Os capítulos finais da publicação Guia de Introdução à Participação Cidadã contém diretrizes e sugestões para implementação de um sistema municipal de participação cidadã. A ideia é que gestores de cidades e sociedade civil tenham um guia para criar espaços de participação nos âmbitos administrativos, normativos, pedagógicos, de mobilização e organização social ou até mesmo em escalas territoriais menores, como uma associação de bairro.

“Evidentemente, tais diretrizes podem e devem ser adaptadas às características de cada município. Para seu êxito, no entanto, não bastam apenas reformas institucionais. É necessário, por um lado, uma transformação cultural que possibilite a incorporação da participação cidadã como método de gestão municipal e, por outro, organização e mobilização social permanentes”, diz o guia.

*Foto de capa por Marcella Arruda. 

Diretrizes para a criação de um sistema municipal de política cidadã

Gilberto Gil é condecorado Doutor Honoris Causa pela Berklee

A Berklee College of Music é uma das mais conceituadas universidades de música do mundo

Por Julinho Bittencourt

Via: Revista Fórum

O cantor, compositor e ex-ministro da Cultura Gilberto Gil recebeu nesta segunda-feira (5), o título de Doutor Honoris Causa da Berklee College of Music, uma das mais conceituadas universidades de música do mundo.

Gil foi reconhecido pelas extraordinárias realizações de sua carreira e também pela forte influência de seu trabalho criativo e ativismo social e político em gerações de músicos em todo o mundo.

Ganhador de dois Grammys e de outras inúmeras premiações, Gil foi homenageado durante a cerimônia de formatura dos alunos realizada virtualmente e transmitida através do canal da universidade no YouTube.
Assista no vídeo abaixo, a partir de 48:10, a introdução exibida antes do discurso do artista brasileiro durante a cerimônia, incluindo passagens de sua carreira em vídeo.

O próprio Gil também compartilhou a honraria:

Lei Paulo Gustavo – Atenção!

O PLP Paulo Gustavo deve ser votado na terça-feira, 13/07, no Senado. Agora, precisamos de foco total na mobilização dos senadores.

Salvaguarda Digital: Passaporte Ingá-Boa Viagem

Projeto selecionado do Matchfunding BNDES+ Edição LAB de 2021 quer criar game para mudar relação com o patrimônio histórico de Niterói

O Museu de Arte Contemporânea de Niterói é um dos mais belos cartões postais da cidade, dispondo de um rico entorno marcado pela diversidade de patrimônios culturais na região. E, entre esses, configuram-se museus e espaços culturais de extrema relevância, mas que nem sempre são alvos de merecida atenção diante da importância que possuem.

Diante deste cenário e buscando soluções, o Instituto Brasileiro de Direitos Culturais (IBDCult)  foi um dos selecionados pelo Matchfunding BNDES+ Patrimônio Cultural, apresentando o projeto “Salvaguarda Digital: Passaporte Ingá-Boa Viagem”, cuja proposta é direcionada para o desenvolvimento de um game capaz de mudar a forma de relacionamento com os patrimônios culturais da cidade e os seus territórios, sugerindo circuitos de visitação e interações por meio de realidade aumentada.

O jogo eletrônico buscará mudar a forma de se relacionar com os patrimônios culturais, seus territórios e o entorno, convidando o usuário a não somente conhecer, mas sobretudo interagir com os patrimônios materiais dos bairros da Boa Viagem, São Domingos e Ingá, em Niterói (RJ), de uma forma híbrida e fruída, tanto física quanto virtualmente, capaz de enfrentar os desafios impostos pela pandemia, bem como auxiliar esses espaços no momento de retomada pós-pandemia.

A plataforma do game prevê tanto um tour virtual e imersivo, que pode ser feito a distância, quanto propõe aos visitantes um circuito na proximidade dos bairros dentro da lógica de passaporte cultural, onde cada patrimônio representa um ponto de check-in e os usuários colecionam “carimbos” por onde visitam. Para além dessa mecânica, o game pretende utilizar recursos de realidade aumentada para expandir a experiência de fruição dos patrimônios beneficiados através dos smartphones dos próprios visitantes.

Financiamento coletivo

O projeto foi selecionado para se tornar uma campanha de financiamento coletivo através do Programa Matchfunding BNDES+ Patrimônio Cultural – Edição LAB de 2021, voltado às iniciativas que usam a internet para ampliar a interação do público com os patrimônios culturais brasileiros.

O diferencial dessa modalidade de financiamento coletivo é que para cada R$ 1 apoiado na campanha, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) investe mais R$ 2 no projeto, o que significa triplicar a arrecadação até ser atingida a meta inicial da campanha, que é de R$75 mil. Ou seja, o projeto precisa arrecadar R$ 25 mil para ter êxito na campanha. A iniciativa é resultado de uma parceria com a Sitawi Finanças do Bem e a Benfeitoria, plataforma de financiamento coletivo que hospeda a campanha.

 

Site da arrecadação: https://benfeitoria.com/salvaguardadigital

 

Relação inovadora com os patrimônios culturais

O jogo eletrônico propõe mudar a forma de se relacionar com os patrimônios culturais, seus territórios e o entorno, convidando o usuário a não somente conhecer, mas sobretudo interagir com os patrimônios materiais dos bairros da Boa Viagem, São Domingos e Ingá, em Niterói (RJ), de uma forma híbrida e fruída, tanto física quanto virtualmente, capaz de enfrentar os desafios impostos pela pandemia, bem como auxiliar esses espaços no momento de retomada pós-pandemia.

A plataforma do game prevê tanto um tour virtual e imersivo, que pode ser feito a distância, quanto propõe aos visitantes um circuito na proximidade dos bairros dentro da lógica de passaporte cultural, onde cada patrimônio representa um ponto de check-in e os usuários colecionam “carimbos” por onde visitam. Para além dessa mecânica, o game pretende utilizar recursos de realidade aumentada para expandir a experiência de fruição dos patrimônios beneficiados através dos smartphones dos próprios visitantes.

Cultura, desafios e histórias

 

Dentre as possibilidades interativas que estão previstas na plataforma do game estão desafios para serem feitos presencialmente, que ajudam a contar a história de cada patrimônio, além da possibilidade de deixar mensagens e intervenções digitais através da realidade aumentada que podem ser compartilhadas com seus amigos. Outro aspecto interessante explorado no game é o da salvaguarda coletiva, que possibilita que os usuários selecionem e troquem souvenires digitais, lembranças virtuais que preservam e partilham a memória e a cultura de cada lugar.

O Circuito Ingá-Boa Viagem é o projeto piloto do desenvolvimento do game, que prevê o escalonamento para outros circuitos patrimoniais e culturais já mapeados da cidade de Niterói. Os patrimônios beneficiados pelo projeto são: Museu de Arte Contemporânea de Niterói – MAC (Tombamento Federal); Museu Antônio Parreiras (Tombamento Federal); Solar do Jambeiro (Tombamento Federal); Palácio e Museu do Ingá (Tombamento Estadual) e Museu Janete Costa (Área de Preservação do Ambiente Urbano – Municipal)

Legado – O projeto é pensado para deixar um conjunto amplo de benefícios perenes para os patrimônios. Ele possibilita ações que intensificam e prolongam o relacionamento dos patrimônios com o seu público, promovendo a cultura e o turismo local, e tornando mais acessíveis e democráticas as experiências de fruição desses patrimônios.

Com um olhar na inovação, o projeto utiliza as novas tecnologias para pensar soluções para velhos desafios do campo da cultura, propondo conteúdos e experiências que expandam a relação e o engajamento do público com o patrimônio, colaborando para a sua valorização e do seu entorno.

O projeto busca ampliar o debate público sobre cultura e patrimônio, promovendo e qualificando as discussões e a participação da sociedade nessas áreas. Com uma abordagem multidisciplinar, a iniciativa usa da gamificação e de elementos lúdicos para envolver e aproximar ainda mais os patrimônios do cotidiano da cidade, reforçando seu caráter histórico, artístico e cultural, e como eles se inserem nas dinâmicas da cidade. O projeto propõe a preservação da memória do patrimônio através da digitalização e disseminação de conteúdos que inspirem o público a colecionar e compartilhar suas vivências desses territórios, como um processo de salvaguarda coletiva e digital dessa memória.

Outro aspecto importante do game são as potencialidades da plataforma enquanto ferramenta de levantamento de indicativos culturais e turísticos, provendo informações importantes sobre visitação, circulação e mobilidade urbana, muito úteis na formulação de políticas públicas para esses setores e no desenvolvimento de ações de preservação dos patrimônios da cidade.

Proponente

O projeto foi submetido à chamada pelo Instituto Brasileiro de Direito Culturais – IBDCult, organização sediada em Fortaleza (CE), que atua de maneira ativa no debate, difusão e proteção dos Direitos Culturais. Fundado em 2014, o IBDCult nasceu para ser a casa daquelas e daqueles que, de algum modo, desejam se envolver com a temática. Ao longo dos últimos anos o Instituto reuniu advogados, artistas, produtores, pesquisadores, estudantes e entusiastas, de todas as regiões do Brasil, por meio de cursos, publicação de livros, e da realização de seminários, oficinas e encontros.

Campanha

A campanha de financiamento coletivo do projeto Salvaguarda Digital estará aberta a contribuições a partir de 17 de maio, na plataforma da Benfeitoria. Para ter êxito o projeto precisa arrecadar R$ 25 mil, valor que será triplicado pelo BNDES até atingir a meta mínima de R$ 75 mil, dentro do Programa Matchfunding BNDES+ Patrimônio Cultural. A arrecadação tem até o dia 16 de junho para bater essa meta.

Idealizadores

O projeto foi idealizado por Mário Pragmácio e Fernando Henrique Schuenck, e pensado a partir da emergência de se pensar ações estratégicas que auxiliem os patrimônios culturais, que são espaços culturais ativos na cidade, a enfrentarem os desafios impostos pela pandemia, e auxiliá-los no momento de retomada pós-pandemia. Juntos eles pensaram uma forma de levar as aulas de patrimônio cultural para todos, de modo acessível e inclusivo, algo que estivesse ao alcance das mãos. Assim surgiu a ideia do game.

 

*Mário Pragmácio é advogado, Professor Adjunto do Departamento de Arte da Universidade Federal Fluminense – UFF. Doutor em Teoria do Estado e Direito Constitucional pela PUC-RIO. Mestre em Museologia e Patrimônio pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO e especialista em patrimônio cultural pelo Programa de Especialização em Patrimônio – PEP/IPHAN

*Fernando Henrique Schuenck é mestrando do Programa de Pós-graduação em Comunicação da UFF, membro do Laboratório de Investigação em Ciência, Inovação, Tecnologia e Educação (Cite-Lab) da UFF, Bacharel em Produção Cultural e graduando em Estudos de Mídia, ambos pela UFF.

Apoie a Lei Paulo Gustavo

O Comitê Paulo Gustavo RJ foi criado pra se juntar à mobilização nacional e unir os/as trabalhadores/as da Cultura do Estado do Rio de Janeiro na luta pela aprovação do PLP Paulo Gustavo (nº 73/2021), em tramitação no Senado, que pretende destinar R$ 4,3 bilhões ao setor cultural como medida emergencial no período de pandemia.

 

A carta do Conselho Estadual de Política Cultural do Rio de Janeiro – CEPC-RJ vem para somar o apoio e reafirmar a importância da aprovação deste PLP 73/2021.

 

🎭 Junte-se a nós! Assine você também! ✍🏽

https://forms.gle/AR2medhwXKbrVbpUA

 

Leia a carta so presidente do senado na íntegra clicando aqui!:

#aprovapaulogustavo #leipaulogustavo #comitepaulogustavorj #paulogustavo #senado #plp732021 #cepc

Associação Brasileira de Gestão Cultural impacta vidas e transforma contextos

Diante da crise sanitária e econômica de escala mundial, enfrentamos um imenso desafio humanitário: o combate à fome. Cada vez mais organizações compreendem que o único caminho para a superação é a solidariedade e, com isso, direcionam seus esforços para ajudar aqueles que mais precisam.

Esse é o caso da Associação Brasileira de Gestão Cultural que, na reunião de seu conselho deste mês, pactuou as ações que adotariam com o objetivo de diminuir os impactos da pandemia. Kátia de Marco, presidente da ABGC, apresentou a campanha Nosso Território Protegido da Covid-19, e, foi definida a estratégia de não criar uma campanha própria para a ABGC, mas sim fortalecer as ações de combate à fome coordenadas pelo Circo Crescer e Viver. Assim, as doações serão direcionadas para uma instituição de confiança, com atuação transparente e com tecnologia social própria, que possibilita um trabalho preciso, georreferenciado, garantindo que os benefícios cheguem a quem, de fato, precisa.

A presidente relata que o principal recurso para a mobilização de doações tem sido a apresentação dos vídeos da própria campanha, que contam as histórias das famílias beneficiadas e mostram a equipe Circo Crescer e Viver em ação, sensibilizando e evidenciando um trabalho sério.

Faça você também parte desse movimento!
Toda ajuda é fundamental nesse desafio humanitário .

circocrescereviver.org.br/nosso-territorio-protegido/

Banco Bradesco
Agência 2731
Conta: 15930-1
CNPJ 05.993.591/0002-40 (chave PIX)

#ContraFomeSolidariedade
#NossoTerritorioProtegidoDaCovid19

CARTA DE APOIO DA ABGC AO OFÍCIO DA SECRETÁRIA DE CULTURA DO PARÁ E PRESIDENTE DO FÓRUM NACIONAL DE SECRETÁRIOS E DIRIGENTES ESTADUAIS DE CULTURA ENVIADO À SECRETARIA ESPECIAL DE CULTURA, MINISTÉRIO DO TURISMO, EM 14 DE ABRIL DE 2021

Para acessar o Ofício clique aqui

Carta oficial - ABGC - Fórum de Cultura

Responsabilidade social e Sustentabilidade – Profº. Dr. Márcio Schiavo

O papel dos agentes econômicos no mercado globalizado: ética empresarial; Investimento social privado: natureza, características e motivações; Estratégias eficazes e inovadoras de atuação social. Resultados e impactos sociais sob a perspectiva do investidor, da sociedade, dos beneficiários e demais stakeholders empresariais. Gestão, monitoramento e avaliação de programas de responsabilidade social: métodos, processos e procedimentos.

Dias: 03, 10 e 17 de julho de 2021

Horário: 09h às 13h

Plataforma digital – síncrona aos sábados consecutivos

Valor do investimento:R$ 320,00

Carga Horária: 12h

 

Inscreva-se nesse curso preenchendo o formulário abaixo

[contact-form-7 404 "Não encontrado"]

Empreendedorismo e inovação – Profª. Me. Liliana Magalhães 

Conceito de economia circular e inovação. Inovação social e cidadã como estratégia para alcançar a sustentabilidade de espaços e iniciativas culturais com comunidades criativas e redes colaborativas. A integração do processo criativo às energias das comunidades. A gestão do relacionamento como ativadora de inovação e empreendedorismo em instituições, programas e projetos culturais.

Inovação social, cidadã e institucional como estratégia para alcançar a sustentabilidade de espaços e iniciativas culturais com comunidades criativas, setores produtivos e redes colaborativas.

A integração do processo criativo às energias das comunidades na gestão do relacionamento como ativadora de inovação e empreendedorismo em instituições, programas e projetos culturais.

O curso de extensão online “Empreendedorismo e Inovação”, que será ministrado pela Profa. Me. Liliana Magalhães (@lili.fmagalhaes), nos dias 03, 10 e 17/07, com a participação dos convidados: Paula Perissinotto (@paulaperissinotto), Geraldinho Magalhaes (@geraldinhomagalhaes) e Monique Bezerra (@moniquebezerradasilva).
O curso irá apresentar as noções de inovação institucional, social e cidadã e as novas economias como estratégias para os desafios de superação, redesenho e sustentabilidade dos bens e serviços culturais com ênfase nas características de uma gestão empreendedora com comunidades criativas e redes colaborativas. Aborda a cultura como processo criativo, multidimensional e integrado às energias das comunidades e apresenta a gestão do relacionamento nas instituições, programas e iniciativas culturais como ativadora de inovação e empreendedorismo.
A Profa. Me. Liliana Magalhães é mestre em Gestão e Inovação na Engenharia de Produção da COPPE UFRJ. Tem formação em Arte Educação (UFPE), especialização em marketing (FGV RJ), arte pelo Institute of Contemporary Arts (UK) e negócios sociais pela Yunus Social Business/ESPM RJ e integra o Conselho de Administração da Fundação Bienal de Artes Visuais do MERCOSUL.  Sócia-diretora da SOMOS cultura, educação e comunicação, atua como empreendedora, curadora e consultora de gestão estratégica e de conteúdo, obtendo como clientes atendidos: o Instituto Europeu de Design IED, a Caixa Cultural, o Centro de Referência do Artesanato Brasileiro – CRAB do Sebrae-RJ e a incubadora Rio Criativo do Estado do Rio de Janeiro. Atuou na Fundação Joaquim Nabuco, Secretaria de Cultura de Olinda e empreendeu projetos para revitalização de patrimônio cultural no Recife e Olinda, Rio de Janeiro, Porto Alegre e São Paulo.
Agenda dos convidados
Dia 03/07 – Convidada: Me. Paula Perissionotto – Especialista em novas mídias, arte contemporânea e cultura digital é mestre em poéticas visuais pela ECA (Escola de Comunicações e Artes da USP Universidade de São Paulo) com especialização em Curadoria e Práticas Culturais em Arte e Novas Mídias pelo MECAD / ESDI em (Barcelona / ES). Desde 2000 é Co-fundadora, curadora e organizadora do FILE, Festival Internacional de Linguagem Eletrônica.
Dia 10/07 – Convidado: Geraldinho Magalhães Empresário artístico, supervisor musical, diretor de documentários e séries sobre música e curador. Faz intercâmbio entre artistas e eventos dentro e fora do Brasil, é curador e consultor para festivais e centros culturais: Central Park Summer Stage e Lincoln Center (NYC), Chicago Cultural Center e Fundação Casa da Música (Porto, Portugal), Back2Black (Rio e SP), Rock in Rio. É professor do curso Música Negócios da PUC-Rio, é consultor e um dos diretores da BM&A (Brasil Música e Artes) e BME (Brasil Music Exchange) e dirige a Diversão e Arte.
Dia 17/07 – Convidada: Monique Bezerra. Doutoranda em Geografia pela Universidade Federal Fluminense. Mestre em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ. Bacharel em Produção Cultural pela UFF. Atuou por mais de 8 anos no Observatório de Favelas, na coordenação do eixo de arte e território e na coordenação da área de desenvolvimento institucional. Atualmente é professora substituta no Bacharelado em Produção Cultural do IFRJ.

Dias: 03, 10 e 17 de julho de 2021

Horário: 14h às 18h

Carga Horária: 12h

Plataforma digital – síncrona aos sábados consecutivos

Valor do investimento: R$ 320,00

 

Inscreva-se nesse curso preenchendo o formulário abaixo

    Assista a Aula Aberta online de abertura do curso MBA em Gestão e Produção Cultural.

    A aula aconteceu dia 24/04/2021 às 10h e tivemos a presença do Secretário de Cultura do município do Rio de Janeiro, Sr. Marcus Faustini,  e o Diretor Executivo do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Sr. Fábio Szwarcwald, para falar sobre os “Desafios para a retomada da produção cultural carioca no cenário pós-pandêmico”

     

    Assista a aula abaixo: