Ibram oferece bolsas para iniciação científica em sua área de atuação

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) abriu edital para seleção de bolsistas  do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC). Lançada numa parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a oportunidade se destina ao financiamento de projetos de pesquisa no campo de atuação do órgão.

Serão oferecidas dez bolsas de iniciação científica no valor de R$ 400,00 mensais pelo período de 12 (doze) meses, sendo prorrogável por igual período. Podem se candidatar alunos regularmente matriculados em cursos de graduação de instituições públicas ou privadas de ensino superior reconhecidas pelo MEC que não estejam recebendo qualquer outra modalidade de bolsa.

Poderão atuar como orientadores servidores ativos do quadro técnico do Ibram que não estejam em período de licença e possuam título de doutor, além de experiência compatível com a função de orientador e formador de recursos humanos qualificados. Também será requisito a produção científica, tecnológica ou artístico-cultural comprovada nos últimos três anos.

O mérito científico dos projetos apresentados será avaliado pelo Comitê Externo da Coordenação PIBIC/CNPq/MinC/Ibram. Um dos objetivos da iniciativa é proporcionar aos bolsistas a aprendizagem de técnicas e métodos científicos relacionados ao campo dos museus, contribuindo para o desenvolvimento de sua criatividade teórica e cultural.

Os candidatos a orientador do programa deverão enviar os projetos de pesquisa para a Coordenação do PIBIC/CNPq-Ibram até o dia 15 de agosto, exclusivamente pelo e-mail mhn.pesquisa@museus.gov.br. Para mais detalhes, leia o edital.

16ª Feira Literária Internacional de Paraty – FLIP 2018

Como parte da programação da 16ª Feira Literária Internacional de Paraty (FLIP-2018), que acontece de 25 a 29 de julho, o Museu de Arte de Sacra de Paraty (MAS/Ibram) receberá um novo espaço cultural: a Casa Europa. A Casa será promovida pelo EUNIC Brasil – grupo formado pelas organizações culturais europeias como o British Council, o Consulado Geral da Hungria, o Goethe-Institut, o Instituto Cervantes, o Instituto Cultural da Dinamarca, a Aliança Francesa, o Istituto Italiano di Cultura e a Pro Helvetia.

A iniciativa, que é uma colaboração entre o Rio e São Paulo visando a promoção do diálogo entre os diferentes setores culturais e entre as sociedades civis no Brasil e na Europa, trará, durante a feira, escritores e especialistas europeus e brasileiros, que irão debater, no Museu de Arte Sacra, sobre questões relacionadas a Maio de 1968 – marcando os 50 anos da data de importantes acontecimentos culturais na Europa – e também uma exposição de fotografias em torno do tema.

Entre os especialistas convidados que participarão dos debates, estão:

Lutz Taufer: alemão, ex-integrante do SPK e do Baader-Meinhof a partir de 1974, participou da ocupação da embaixada alemã em Estocolmo em abril de 1975. Condenado à prisão perpétua, passou 20 anos na prisão em regime de isolamento e, após sua libertação, trabalhou em uma ONG brasileira nas favelas do Rio de Janeiro. Durante a FLIP, lançará sua biografia Atravessando Fronteiras. Da guerrilha urbana na Alemanha ao trabalho comunitário em favelas no Brasil.

Massimo Canevacci: Professor de Antropologia Cultural na Faculdade de Ciências da Comunicação da Universidade “La Sapienza” (Itália) lançará, durante a FLIP, o livro Culturas eXtremas: mutações juvenis nos corpos das metrópoles.

Michael Goldfarb: após fazer a cobertura da Guerra do Iraque como jornalista independente, publicou os livros A Guerra de Ahmad, A Paz de Ahmad: Sobrevivendo Sob o Saddam, Morrendo no Novo Iraque, entre outras publicações, atualmente apresenta o podcast FRDH: Primeiro Rascunho da História.

Niels Hav: poeta e contista dinamarquês, autor de contos e poemas traduzidos para mais de 10 idiomas, lançará seu primeiro livro na língua portuguesa: A Alma Dança em seu Berço, pela Editora Penalux.

Nina Reusch: historiadora alemã pela Universidade de Freiburg (Alemanha), em sua tese de doutorado escreveu sobre história popular na Alemanha Imperial (1890-1913).

Inscrições abertas para a 12ª Primavera dos Museus – Ibram

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) disponibilizou na última sexta-feira (20), o texto de referência sobre o mote da Primavera dos Museus. Com o tema Celebrando a Educação em Museus, a temporada de eventos que este ano acontecerá de 17 a 23 de setembro, está em sua 12ª edição.

A cada ano, o Ibram lança um tema para estimular o debate acerca do assunto e inspirar os eventos a serem realizados pelas instituições participantes. Este ano, o tema põe em foco uma das principais funções do museu: educar e contribuir no despertar de interesse para diferentes áreas do conhecimento, a vida em sociedade, a importância das memórias e o valor do patrimônio cultural musealizado.

Museus e outras instituições culturais interessados em participar da 12ª Primavera dos Museus devem fazer sua inscrição até o dia 09 de agosto.

Política Nacional de Educação Museal

Lançado em junho deste ano, o Caderno da Política Nacional de Educação Museal (PNEM), resgata o processo de criação da PNEM e visa difundir seus princípios e diretrizes a fim de nortear gestores, educadores e demais interessados na prática da educação museal.

IV Fórum de Museus do Estado do Rio de Janeiro

IV Fórum de Museus do Estado do Rio de Janeiro – 25 e 26 de julho de 2018

A Superintendência de Museus da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, por intermédio do Sistema Estadual de Museus – SIM-RJ realizará o IV Fórum de Museus do Estado do Rio de Janeiro nos dias 25 e 26 de julho na Sala Mário Tavares no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, na Avenida Almirante Barroso, 14-16 – Centro – Rio de Janeiro/RJ

O Tema “Memória, Patrimônio, Violências e Resistências” surge num tempo de preocupação dos museus e comunidades com a salvaguarda dos patrimônios e identidades.

Neste ano, construímos a Programação do Fórum em parceria com a Rede de Museologia Social do Rio de Janeiro – REMUS-RJ, visando uma maior visibilidade do campo da museologia social, engajamentos, suas ações, projetos e experiências exitosas nos museus.

 

VAGAS LIMITADAS!

Inscrições em: https://goo.gl/forms/QtTmTj818uOGXDI03

Para acompanhar segue link para Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/404612943361801/

 

SEMINÁRIO INTERNACIONAL | DESAFIOS DOS MUSEUS NO SÉCULO XXI

O Museu de Arte do Rio convida para o Seminário Internacional — Desafios dos museus no século XXI, que será realizado nos dias 26, 27 e 28 de julho de 2018.
O Seminário, com inscrições gratuitas no site oficial do Museu de Arte do Rio, reunirá profissionais e pesquisadores de diversos campos, o seminário promove um encontro interdisciplinar para discutir de que forma os museus e instituições culturais respondem a temas contemporâneos, como diversidade, representatividade, reestruturação de processos de experimentação e produção de conhecimento, face às novas tecnologias e à democracia cultural.

Inscreva-se em http://bit.ly/2uI3tZx

Link do site oficial: http://www.museudeartedorio.org.br/pt-br/evento/seminario-internacional-desafios-dos-museus-no-seculo-xxi

 

Museu de Arte do Rio

Praça Mauá, 5, Centro. CEP 20081-240 – Rio de Janeiro/RJ.

(21) 3031 2741

 

 

Programação

26/07 (QUINTA FEIRA)

 14h às 15h40

Roda de conversa: Museus e seus públicos
Museus devem estar atentos e conectados com seus públicos. Compreender os diferentes pontos de vistas, os processos históricos que nos fizeram chegar até aqui e as distintas experiências culturais. Como espaço social que lida com o universo simbólico, o museu pode ser um território que contribui para o debate e para a identificação de perspectivas que combatam a violência, a discriminação e o preconceito.

Marília Bonas | Memorial da Resistência SP
Renata Bittencourt | IBRAM
Mediadora: Janaina Melo | Gerente de Educação do Museu de Arte do Rio

 16h às 17h40

Roda de conversa – Cultura de rede
Essa roda de conversa pretende perceber como a cultura em rede pode contribuir para o advento de estratégias sociabilidade, práticas artísticas, colaborativas e de produção.

Ivana Bentes | ECO UFRJ

Martin Grossmann | ECA USP

Mediadora: Amanda Bonan | Coordenadora de Curadoria Museu de Arte do Rio

 18h às 19h30

Conferência

George Yudice | Universidade de Miami EUA

É professor titular do Departamento de Línguas e Culturas Modernas do Programa de Estudos Lationoamericanos da Universidade de Miami.

 

27/07 (Sexta-feira)

 14h às 15h40

Roda de conversa – Museus, tecnologia e cultura digital
Novas estratégias de comunicação e produção cultura provocam a emergência de novas subjetividades, essa roda de conversa, pretende perceber como as práticas de arte, educação e patrimônio respondem a esses desafios do tempo presente no âmbito das instituições culturais.

Edméia Santos | Faculdade de Educação UFRRJ
Myrian Sepúlveda dos Santos | Museu Afrodigital RJ e UERJ
Mediadora: Maria Clara Boing | Coordenadora de Educação CCBB-RJ

 16h às 17h40

Roda de conversa – Educação como prática de criação / Criação como prática de educação
Essa roda de conversa pretende se debruçar sobre a educação como prática que não pode estar alheia às condições concretas do tempo-espaço em que se dá, e, ao mesmo tempo, tem a ver fundamentalmente com processos criativos e formas de estar e praticar o mundo.

Bruno Vilela | Área Criativa, MG
Maria Fernandes de Carlos Oliveira | Associação Comunitária Cultural de Major Sales RN

Mediadora: Natália Nichols | Educadora de Projetos Museu de Arte do Rio

 18h às 19h30

Conferência

Ricardo Rubiales Museológo e educador México
É educador e museólogo com ampla experiência no campo da educação em museus.

 

28/07 (SÁBADO)

 11h às 12h30

Conferência

Alemberg Quindins | Fundação Casa Grande CE Brasil

É músico, pesquisador e produtor cultural, casado, dois filhos. Nasceu e mora em Crato (CE).

14h às 15h40

Roda de conversa | Museus para a Diversidade
Museus não são coisas do passado. Museus são espaços públicos onde o presente acontece. Essa roda de conversas aborda as culturas, em toda a sua diversidade, e como os museus se inscrevem nas discussões da sociedade em âmbito público

Cida Vieira | Museu do Sexo e das Putas MG

José Eduardo Ferreira Santos | Acervo da Laje BA

Maria da Penha | Museu das Remoções RJ

Mediadora: Pâmela Carvalho | Centro de Artes da Maré RJ

 16h às 17h40

Roda de conversa | Museus e democracia cultural
Essa roda de conversas tem como objetivo investigar e debater questões a partir da democracia, modelos de representatividade e articulação política entre arte, educação e museus. É possível constituir nos museus espaço para imaginar e promover novas estratégias de sociabilidade democrática?

Hugo Menezes Neto | UFPE
Pablo Lafuente | CCBB-RJ
Mediadora: Bruna Camargos | Educadora de Projetos Museu de Arte do Rio

 

 

Ibram e CCBB Rio promovem seminário sobre 200 anos de museus no Brasil

O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e o Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro promovem de 30 de julho a 03 de agosto de 2018, o seminário “200 anos de Museu no Brasil: Desafios e Perspectivas”.

O Seminário irá propor uma reflexão sobre dois séculos de presença contínua dos museus em território brasileiro, celebrados em 2018 por ocasião do bicentenário de criação do Museu Nacional, debatendo o percurso histórico de constituição e consolidação dos museus no Brasil em toda sua diversidade e abrangência, analisando as contribuições trazidas para a cultura brasileira e os desafios e perspectivas neste campo.

Entrada franca, com senhas distribuídas 30 minutos antes de cada palestra no Balcão de Informações.

Link do site oficial: http://culturabancodobrasil.com.br/portal/seminario-200-anos-de-museus-no-brasil-desafios-e-perspectivas/

 

Programação:

Dia 30.07 – segunda-feira

9h – 9h30: Credenciamento

9h30 – 9h40: Fala de Boas-Vindas

Marcelo Fernandes – Centro Cultural Banco do Brasil – CCBB, Rio de Janeiro/RJ

9h40 – 10h30: Mesa de Abertura

10h30 – 12h30: Palestra “Memória do Pensamento Museológico Brasileiro”

Bruno Brulon – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO, Rio de Janeiro/RJ

14h30 – 18h30: Mesa-Redonda 01 “Museu Nacional – 200 anos: desafios e perspectivas”

Palestrantes:

– Maria Margareth Lopes – Universidade de Brasília – UnB, Brasília/DF

– Regina Costa Dantas – Museu Nacional/UFRJ, Rio de Janeiro/RJ

– João Pacheco Oliveira- Museu Nacional/UFRJ, Rio de Janeiro/RJ

– Anaildo Bernardo Baraçal – Museu Nacional de Belas Artes/Ibram, Rio de Janeiro/RJ

 

Dia 31.07 – terça-feira

9h00 – 12h30: Mesa-Redonda 02 “Cartografia dos Museus de História no Brasil – uma escrita em movimento”

Palestrantes:

– Marilia Bonas – Memorial da Resistência de São Paulo, São Paulo/SP

-Sergio Rodrigo Reis – Museu de Congonhas, Congonhas/MG

– Solange Ferraz de Lima – Museu Paulista/USP, São Paulo/SP

 

14h30 – 18h30: Mesa-Redonda 03 “Museus de Arte no Brasil – entre o colecionismo público e o privado”

Palestrantes:

– Wagner Barja – Museu Nacional do Conjunto Cultural da República, Brasília/DF

– Maria Eugenia Salcedo – Instituto Inhotim, Brumadinho/MG

– Evandro Salles – Museu de Arte do Rio – MAR, Rio de Janeiro/RJ

 

Dia 01.08 – quarta-feira

9h00 – 12h30: Mesa-Redonda 04 “Museus de Arqueologia no Brasil – uma estratigrafia de abandonos e de desafios”

Palestrantes:

– Camila Wichers – Universidade Federal de Goiás – UFG, Goiânia/GO

– Fernanda Tocchetto – Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo, Porto Alegre/RS

– Gilson Rambelli – Museu de Arqueologia de Xingó – MAX/UFS, Canindé de São Francisco/SE

 

14h30 – 18h30: Mesa-Redonda 05 “A Educação Museal no Brasil – um panorama de desafios”

Palestrantes:

– Mila Chiovatto – Pinacoteca do Estado de São Paulo, São Paulo/SP

– Sibele Cazelli – Museu de Astronomia e Ciências Afins – MAST/MCTIC, Rio de Janeiro/RJ

– Aparecida Rangel – Museu Casa de Rui Barbosa/MinC, Rio de Janeiro/RJ

 

Dia 02.08 – quinta-feira

9h00 – 12h30: Mesa-Redonda 06 “Museus e Centros de Ciência no Brasil – dois séculos de conquistas”

Palestrantes:

– Simone Flores Monteiro – Museu de Ciências e Tecnologia da PUC-RS, Porto Alegre/RS

– Diego Bevilaqua – Museu da Vida/Fiocruz, Rio de Janeiro/RJ

– Ricardo Piquet – Museu do Amanhã, Rio de Janeiro/RJ

 

14h30 – 18h30: Mesa-Redonda 07 “Cartografia dos Museus de Antropologia no Brasil – onde o outro nos habita”

Palestrantes:

– Alexandre Gomes – Universidade Federal de Pernambuco – UFPE, Recife/PE

– Claudia Marcia Ferreira – Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular/IPHAN/MinC, Rio de Janeiro/RJ

– Henrique de Vasconcellos Cruz – Museu do Homem do Nordeste/Fundação Joaquim Nabuco, Recife/PE

 

03.08 – sexta-feira

9h00 – 12h30: Mesa-Redonda 08 “A presença das Memórias Afro-Brasileiras nos museus”

Palestrantes:

– Graça Teixeira – Museu Afro-Brasileiro/UFBA, Salvador/BA

– Nilcemar Nogueira – Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro/RJ

– Lilia Schwarcz – Museu de Arte de São Paulo – MASP, São Paulo/SP

 

14h30 – 18h30: Mesa-Redonda de Encerramento 09 “Desafios e perspectivas para os Museus no Brasil contemporâneo”

Palestrantes:

– Mário Chagas – Museu da República/Ibram, Rio de Janeiro/RJ

– Maria Ignez Mantovani Franco – EXPOMUS, São Paulo/SP

– Antonio Motta – Universidade Federal de Pernambuco – UFPE, Recife/PE

– Mila Chiovatto – CECA/ICOM, São Paulo/SP

 

18h30 – 19h00: Encerramento

Curadoria: Instituto Brasileiro de Museus (Ibram)

Basílica de Congonhas (MG) será reaberta após maior restauração de sua história

Ícone do colonial mineiro, obra-prima do barroco e parte do conjunto considerado Patrimônio Cultural Mundial pela Unesco, a Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas (MG), será reaberta no próximo dia 28 de junho, depois de passar pela maior e mais importante restauração de sua história. A cerimônia de entrega da obra será realizada às 09h, com apresentações culturais locais.

O evento também contará com a presença do diretor do Departamento de Projetos Especiais do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Robson de Almeida; do prefeito de Congonhas, Zelinho Cordeiro; e outras autoridades políticas e eclesiásticas locais.

Foram cerca de R$ 2,27 milhões investidos na restauração, realizada com recursos do programa Agora, é Avançar, do Governo Federal, por meio do Iphan, com execução da Prefeitura Municipal de Congonhas. O Ministério Público Federal (MPF) também direcionou investimentos de quase R$ 493 mil para o projeto da obra, por meio de um Termo de Ajustamento de Conduta. Assim, foram dois anos e meio de intervenções, que contemplam os elementos artísticos da Basílica, em uma ação criteriosa e que segue os padrões internacionais de excelência. A paróquia ainda realizou outros serviços, como a pintura da igreja, a recuperação de relicários e imagens, como a do Bom Jesus crucificado, localizado no altar-mor.

Entre as ações realizadas, destaca-se a recuperação de uma pintura do século XVIII nas laterais do camarim do retábulo-mor e simbologia do martírio de Cristo; os quadros da sacristia, nártex, coro e da nave; balaustradas; cimalhas; forros; retábulos laterais e da sacristia; arco do cruzeiro; púlpitos; pias; lavabo de pedra sabão da sacristia; e a cruz de Feliciano Mendes. Durante a obra, foram encontradas pinturas expressivas, como o fundo da pintura do forro da nave que era cinza liso e escondia um céu com nuvens e tonalidades do azul ao rosado e ainda uma pintura sobre tela na parte superior da Cruz, com a representação do Crucificado.

Santuário do Bom Jesus de MatosinhosA importância histórica de Congonhas no cenário mundial está intimamente ligada à vocação religiosa da cidade e a Basílica de Bom Jesus de Matosinhos é um marco nesse sentido. Todos os anos, ela atrai milhares de fiéis, em comunhão com os mistérios divinos, a maestria de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, e o horizonte sinuoso das montanhas, tão características das Minas Gerais.

A intensificação da ocupação da cidade de Congonhas tem estreita relação com a construção do templo, a partir de 1757. Além disso, o próprio ciclo de peregrinação do Bom Jesus, que teve início após a decadência da extração aurífera no século XVIII e viu seu auge no século XIX, com a construção da Basílica, movimentando toda a economia local, ao atrair romeiros e visitantes.

O interior da Basílica é considerado um importante marco da arte sacra brasileira, reunindo trabalhos de alguns dos maiores escultores do período colonial mineiro, como Jerônimo Félix Teixeira, João Antunes e Vieira Servas, além de quadros e imagens de João Nepomuceno Correia e Castro e Manuel da Costa Ataíde. No adro da Basílica estão localizadas ainda as doze estátuas em pedra-sabão com os Profetas de Aleijadinho, consolidando o espaço como um dos principais cartões-postais brasileiros.

Investimentos no Patrimônio Cultural
A obra da Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos é parte de uma série de investimentos no Patrimônio Cultural de Congonhas, que vem sendo realizada nos últimos anos, por meio do Iphan. A cidade está entre os oito municípios mineiros selecionados para integrar o PAC Cidades Históricas, com a previsão de realização de 93 ações no Estado com investimentos de cerca de R$ 256 milhões. Em Congonhas, além da Basílica, já foram concluídas as obras de restauração da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição e da Igreja do Rosário, e a requalificação urbanística da Alameda Cidade Matozinhos de Portugal, totalizando investimentos de cerca de R$ 6,87 milhões na cidade. Também estão em execução a implantação do Parque da Romaria e a restauração do Centro Cultural da Romaria, cuja ordem de serviço foi assinada no início de junho, colocando a cidade na dianteira dessas ações em todo o Estado.

A obra da Basílica agora finalizada está incluída no programa Agora, é Avançar, do Governo Federal, projeto focado na retomada de obras em todo o país, a fim de oferecer mais crescimento e cidadania para os brasileiros. O Ministério da Cultura, por meio do Iphan, também integra o Programa, com a previsão de investimentos em 61 ações, dentro daquelas já pré-selecionadas pelo PAC Cidades Históricas, visando sua continuidade e conclusão, e apoiando o desenvolvimento dessas cidades históricas brasileiras.

Serviço:
Entrega da obra de restauração da Basílica de Congonhas
Data: 28 de junho, 09h
Local: Basílica do Senhor Bom Jesus de Matosinhos

 

Fonte

MinC faz parceria com Smithsonian para que Brasil seja homenageado no Folklife Festival, nos EUA

O ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, desembarcou em Washington D. C., Estados Unidos, nesta terça-feira (26), para uma série de compromissos, entre os quais a assinatura de uma carta de intenções com a instituição educacional e de pesquisa norte-americana Smithsonian Institution (Instituto Smithsoniano) para que o Brasil seja o país homenageado na edição de 2020 de um dos maiores festivais do mundo de cultura popular, o Folklife Festival. O instituto é associado a um complexo de museus e administrado pelo governo norte-americano. Até quinta-feira (28), o ministro participa de um seminário na Universidade George Washington sobre economia da cultura, vai à abertura do Festival Folclórico do Museus Nacional de História e Cultura Afro-Americana e visita a biblioteca da Universidade Católica da América.
Sá Leitão se reúne com organizadores do Folklife Festival (Festival Folclórico Smithsoniano) na manhã de quinta-feira (28). O evento abre possibilidade de exposição e promoção das mais diversas expressões culturais dos países que participam, contemplando áreas como artesanato, dança, gastronomia, música e turismo patrimonial. A assinatura da carta é um primeiro passo para formalizar a parceria brasileira com a instituição norte-americana.
Logo depois da assinatura, o ministro participa da abertura da edição 2018 do festival. Criado em 1967, o Folklife Festival tem duração de 10 dias e é realizado anualmente em Washington, reunindo cerca de um milhão de pessoas a cada edição. Seu propósito é mostrar e celebrar a cultura popular, as tradições culturais vivas e o patrimônio imaterial. Trata-se de uma plataforma de grande visibilidade internacional de compartilhamento de heranças culturais dos países participantes. Neste ano, os destaques são Armênia e Catalunha.
Segundo o ministro Sérgio Sá Leitão, o MinC vai levar ao festival os pontos de cultura e os mestres e projetos vencedores nas diversas edições do Prêmio Culturas Populares, entre outras atrações. “Teremos congada, samba de roda, maracatu, capoeira e outros”, exemplificou o ministro.
Internacionalização
Na terça (26), o ministro visitou a Biblioteca Oliveira Lima, localizada dentro da Universidade Católica da América. O espaço foi criado a partir do acervo pessoal do diplomata, jornalista e historiador brasileiro Manoel de Oliveira Lima (1867-1928). Considerado uma referência em pesquisa sobre história e cultura brasileira e de Portugal, abriga, atualmente, mais de 60 mil obras impressas e mais de 700 manuscritos. A ideia da visita foi identificar possibilidades de tornar a instituição um centro de pesquisas para assuntos ligados à América do Sul.
Durante a visita, Sá Leitão destacou que a Lei Rouanet vale para ações no exterior e se comprometeu em colocar em contato a Biblioteca Oliveira Lima com a Fundação Casa de Rui Barbosa, instituição vinculada ao MinC.
Nesta quarta-feira (27), o ministro participa da programação do IX Living Expressions, seminário realizado na Universidade George Washington, organizado pela Associação Raízes da Tradição. O ministro fará parte da cerimônia de abertura e apresentará palestra sobre oportunidades de negócios entre Brasil e Estados Unidos, economia da cultura e patrimônio cultural brasileiro. No fim do dia, participa de reuniões bilaterais com representantes do Ministério da Cultura de Benin e da abertura do Festival Folclórico do Museus Nacional de História e Cultura Afro-Americana.
Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura

Pres. Do ICOM brasil, Renata Motta, ressalta papel do EPM aos profissionais do setor

No quarto minivídeo do Sistema Estadual de Museus (SISEM-SP) especialmente dedicado ao 10º Encontro Paulista de Museus (10EPM), a presidente do Comitê Brasileiro do ICOM (International Council of Museums), Renata Motta, fala sobre a importância do evento para a manutenção do relacionamento entre os profissionais do setor.

De 2011 a 2013, Renata foi diretora do SISEM-SP; e coordenadora da Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico (UPPM), da Secretaria da Cultura do Estado, de 2013 a 2016. Atualmente, ela também é assessora do gabinete da reitoria da USP para Museus e Coleções. Confira:

 

Fonte

Edital Natura Musical – inscrições até 29/06

 

Neste ano, programa abre espaço para uma categoria inédita que abrange os coletivos

O programa Natura Musical seleciona novos projetos para patrocínio. O edital aposta na renovação da cena contemporânea da música brasileira e, por isso, busca apoiar trabalhos que reflitam e contestem o momento de profunda transformação no qual vivemos. As inscrições são gratuitas e devem ser feitas, entre 12 e 29/6, pelo site natura.sponsor.com. O anúncio dos selecionados ocorrerá até dezembro.

Acesse o regulamento aqui

Podem participar artistas e bandas de todo o Brasil, que estejam em desenvolvimento de carreira. Em 2018, a novidade do programa é abrir espaço para uma categoria inédita que abrange os coletivos. Sendo assim, selos, grupos, blocos, casas de show de pequeno porte e centros culturais podem ser eleitos pela curadoria para a produção e realização de mostras, residências e intercâmbios, por exemplo.

“Buscamos apoiar trabalhos em diversos formatos que, em comum, reverberem uma cultura de paz e celebrem a liberdade de pensamento e a diversidade”, ressalta Fernanda Paiva, gerente de Marketing Institucional da Natura. As propostas devem ter potencial criativo para inovar e conteúdo relevante para o cenário musical contemporâneo. “É importante que o projeto já tenha iniciado sua trajetória profissional de forma consistente”, completa.

Neste ano, a plataforma oferecerá R$ 4,5 milhões em patrocínio, com a combinação de recursos próprios da Natura e recursos da lei Rouanet (Nacional) e das leis estaduais (Bahia, Minas Gerais, Pará, São Paulo e Rio Grande do Sul). A curadoria do edital será feita por uma rede de especialistas formada por artistas, assessores de imprensa, jornalistas, produtores e empresários do mercado musical.

Histórico

O Natura Musical já apoiou mais de 367 projetos de 18 Estados brasileiros. Anualmente, a marca lança, em média, 30 discos, com destaques em listas de melhores do ano e premiações nacionais e internacionais, além de patrocinar shows, livros, filmes e acervos digitais. Em 13 anos, já foram investidos cerca de R$ 132 milhões em recursos.

O programa vem participando ativamente da consolidação de alguns dos mais representativos compositores e intérpretes da nova geração, como Liniker e os Caramelows, Francisco, El Hombre, Luedji Luna, Xênia França, Larissa Luz, Johnny Hooker, Filipe Catto, Felipe Cordeiro e Aíla.

Ao mesmo tempo, Natura Musical financia também projetos emblemáticos de ícones da música brasileira. Elza Soares com A Mulher do Fim do Mundo, o novo disco de Jards Macalé e a obra de Mateus Aleluia são outros exemplos.

_
Ficou com alguma dúvida?
Fale com a gente:
(11) 5056-9832/ 33 ou edital@naturamusical.com.br.

Fonte