Dia do Artesão: política pública avança para proteger e tornar o setor mais produtivo

É possível compreender a complexidade da diversidade cultural brasileira por meio de artesanato feito no país: das peças feitas com sementes caídas naturalmente das copas de árvores das florestas do Norte às figuras de barro moldadas pelo povo do Nordeste; das peças de adorno que brotam do capim dourado do Centro-Oeste aos ovos pintados pela colônia de imigrantes ucranianos que habitam o Sul. Isso sem falar nas comoventes bonecas de dona Izabel, do Vale do Jequitinhonha (MG). Nosso País, continental e criativo, move uma cadeia produtiva de 10 milhões de artesãos. São mãos de todas as etnias e miscigenações que movimentam R$ 50 bilhões e clamam por uma política pública que as proteja.

Nesta terça-feira (19), Dia do Artesão, é momento não só de comemorar essa expressiva produção como também refletir sobre o caminho do ofício. Só recentemente, o setor ganhou do poder público e da sociedade civil instrumentos capazes de dar maior velocidade a esse universo de fazeres e saberes, presente em atividade econômica em quase 80% dos municípios brasileiros, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). “Agora, nosso empenho é para realizar uma cartografia da cadeia produtiva do artesanato brasileiro a fim de compreender o tamanho e a importância dessa atividade de Norte a Sul do país”, prospecta Jorge Edson Garcia, coordenador de Formação Técnica, Gestão e Produção da Secretaria de Economia Criativa da Secretaria Especial da Cultura do Ministério da Cidadania.

Com assento no Conselho Setorial de Artesanato, Garcia participa do fortalecimento das políticas públicas, que redimensionam o fazer do artesão no Brasil. Ele participou ao lado da sociedade civil da construção do Plano Setorial de Artesanato 2016 – 2025, gestado pela Secretaria Especial da Cultura. Viu também ser sancionada a Lei 13.180/2015, que institui a profissão de artesão no Brasil (legislação que aguarda regulamentação no Congresso Nacional). “São dois importantes marcos regulatórios vitoriosos para essa classe de trabalhadores, em maioria formada por mulheres”, destaca o gestor.

Reconhecimento e profissionalização

Criada há 20 anos, a organização não governamental Artesol é testemunha da transformação no setor produtivo do artesanato. Viu a atividade ganhar atenção do poder público brasileiro a partir dos anos 2000, quando os modos de saber e de fazer foram reconhecidos como patrimônio imaterial por meio da criação do Registro e do Programa Nacional do Patrimônio Imaterial (PNPI), do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O órgão, vinculado ao Ministério da Cidadania, juridicamente identifica, reconhece, salvaguarda e promove os saberes e fazeres de artesãos. Outra iniciativa foi a valorização de mestres no Prêmio Culturas Populares, da Secretaria Especial da Cultura, que teve, até o momento, seis edições, homenageando e premiando mestres como a ceramista e bonequeira dona Izabel (1924-2014), do Vale do Jequitinhonha (MG), e Severino Vitalino (1940-2019), do Alto do Moura (PE).

Coordenadora-executiva da instituição que põe o artesanato em rede no País, Josiane Masson recorda-se do momento em que os agentes chegaram às comunidades e testemunharam um contexto de pobreza e de isolamento em contraste com a riqueza de técnicas e conhecimento dos moradores dessas localidades. “Havia um grande potencial para a geração de renda, mas, para isso, era necessário trabalhar a qualificação dos artesãos, adequar a produção para a lógica de mercado, fazer um trabalho focado na comercialização e, principalmente, promover a valorização dos artesãos e do objeto artesanal”. Ela destaca o papel da Secretaria Especial da Cultura como uma das protagonistas dessa virada de mesa.

Assim, o Plano Setorial de Artesanato engloba tanto o artesanato tradicional, passado de geração em geração, quanto o de manufatura mais contemporânea. É resultado de consulta pública de 45 dias que teve mais de 200 contribuições, estabelecendo seis eixos que estruturam crescimento a partir de objetivos e metas para valorização da atividade em desenvolvimento sustentável. “Esse é um documento vivo, cheio de vozes, que precisa ser efetivamente abraçado. Acredito ser esse o momento para abrir esse novo ciclo para o artesanato brasileiro”, aponta Jorge Garcia.

Santo marceneiro

O Dia do Artesão tem ligação histórica com a celebração a São José, marceneiro de ofício. No Alto do Moura (distrito de Caruaru/PE), é dia de procissão para louvar o santo protetor de 800 artesãos que tiram do barro o sustento e perpetuação da arte iniciada pelo mestre Vitalino (1906-1963), cujas obras feitas em barro ocupam espaços expositivos nobres como o Museu de Arte Popular de Viena, na Áustria, e o Museu do Louvre, em Paris. “Acredito que meu avô não tinha noção do que ele criou para o mundo. Toda essa produção que circunda o Alto do Moura veio depois dele”, comemora Emanuel Vitalino, que está à frente do espaço memorial Casa Museu Mestre Vitalino.

No Alto do Moura, a data será de celebração. Vai ter abertura da exposição Louças de barro, com peças utilitárias confeccionadas por 70 mulheres do grupo Em Busca de Sabedoria, além de procissão para saudar o santo protetor. A festa ainda homenageia Severino Vitalino, filho do mestre Vitalino e pai de Emanuel. “Precisamos dar continuidade ao que foi criado por eles. Aqui, minha filha de sete anos e meu sobrinho de nove já começam a se interessar pelo ofício. É um passando para outro”, comemora Emanuel Vitalino.

A transmissão de geração em geração e a preservação dos saberes e fazeres são bandeiras caras para a Associação dos Artesãos em Barro e Moradores do Alto do Moura (ABMAM), presidida por Helton Silva Rodrigues, neto do mestre Manuel Eudócio (1931-2016), um dos discípulos de Mestre Vitalino, que desenvolveu estilo próprio e hoje sua obra é considerada Patrimônio Vivo de Pernambuco. “Dos noves filhos do meu avô, cinco seguiram o ofício. Dos netos, 80% foram para outras atividades. Então, é preciso urgentemente pensar em como o artesanato pode atrair e manter essas novas gerações, sob o risco de se interromper esse fazer cultural em 50 anos”, revela Helton, que negocia, com o poder público municipal, para transformar a casa e o ateliê deixados pelo avô em espaço de memória.

Para saber mais:

O que é o artesanato?
“Artesanato é toda atividade produtiva que resulta em objetos e artefatos acabados, feitos manualmente ou com a utilização de meios tradicionais, com habilidade, qualidade e criatividade” (Fonte: Sebrae)

Quem é artesão tradicional?
“O artesão tradicional é o agente que conhece o meio onde se situa, domina técnicas para construir trabalhos manualmente e possui sensibilidade para criação” (Fonte: Vera de Vives)

Tipos de artesanato:

  • Tradicional: Ligado à cultura de uma comunidade e influenciado pela pelo saber e fazer transmitidos de geração em geração.
  • Manual: Confeccionado com matéria-prima industrializada e não resultam diretamente de heranças culturais

Características do artesanato brasileiro:

  • Expressão cultural e artística
  • Consciência ambiental
  • Organização coletiva
  • Produção atemporal
  • Habilidade e destreza manual

Clique e saiba mais:

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *